Fatec de São Sebastião produz máscaras de acetato para profissionais da saúde do Litoral Norte, que atuam no combate ao Corona Vírus

A pandemia do Corona Vírus tem despertado em todo mundo, além do medo, uma crescente onda de solidariedade e empatia em todos os setores da sociedade.

Diante deste cenário, logo no início da crise, a Fatec São Sebastiao começou um projeto, idealizado pelo Diretor Daniel Jung, para produzir máscaras de proteção individual, do tipo FaceShield para os profissionais da saúde, utilizando-se de três impressoras 3D disponíveis na instituição. À princípio, a produção era de doze máscaras por dia e os primeiros protótipos foram confeccionados com película de garrafa de Coca Cola.

Com a divulgação da notícia na cidade, a produção começou a aumentar e a prefeitura doou películas de acetato de 0,50mm para serem usados no headband – estrutura que segura a máscara na cabeça do usuário. O objetivo inicial era de que fossem produzidas 60 máscaras.

No último dia 28, o professor Fábio Lippi, coordenador do curso de GTI da Fatec esteve numa Live do Prefeito Municipal, Felipe Augusto, para falar sobre o projeto. Com a repercussão, a ação fatecana passou a ter o apoio de outras instituições, tais como o Barlavento Coworking e o Instituto Supereco que agora são parceiros do projeto. Na última segunda feira, ainda, recebeu do empresário Júlio Cardoso,  do Projeto Baleia à Vista, de Ilhabela e dos Diretores do Yate Clube da mesma cidade, uma cortadora à laser e matéria prima para a produção de 900 máscaras que serão doadas para hospitais e o SAMU de toda região. Atualmente, sete alunos voluntários trabalham no projeto a fim de agilizar o processo e a produção diária saltou para 200 unidades produzidas a cada dia.

“Desde o início a minha ideia era que fosse um projeto colaborativo. Quem tem impressora ingressa e começa a produzir. Agora já estamos montando uma rede com outras instituições. É sem dúvida uma ação que nos orgulha de sermos fatecanos”, comemora Jung.

Comments are closed.